Pular para o conteúdo principal

FreeDoom


Bem, aqui esta o FREEDOOM. Um remake do doom original.


 
O Doom foi um choque para uma geração, acusado de satanismo, induzir os jogadores a pensamentos e ações assassinas, tudo por causa de seu enredo e gráfico.O pai de todos os fps.






O que é um "Source Port" ? 

Um Source Port é uma ferramenta desenvolvida independente, porém que usa o código-fonte da engine de Doom.

O Termo geralmente denota uma modificação feita por fãs, em oposição a qualquer versão oficial produzida pela id Software (desenvolvedora do Doom) ou quaisquer companhias afiliadas.

O código-fonte de Doom (Doom source code) foi liberado para o público em 1997.

Source Ports foram criados para uma enorme variedade de sistemas operacionais de PC, e outras plataformas de hardware: o Macintosh,
o Game Park 32 (um PDA coreano), os telefones celulares Nokia 7650 e 9210, o Sega Dreamcast, e qualquer ambiente POSIX com o X Window System.

O propósito original dos Source-Ports era a maior compatibilidade com outros componentes, sistemas operacionais e PC's possível, mas logo no começo da liberação do código fonte, alguns programadores começaram a modificar o código original, corrigindo bugs, ou melhorando componentes do mesmo,
até incluir outras funcionalidades que o código original não tinha.

O código foi originalmente liberado sobre a propriedade de licença, o qual proibia o uso comercial do mesmo e que deixava bem claro que não era preciso que os programadores liberassem seus códigos para arquivos executados.


Alguns source ports do Doom para Linux:



* CGDoom
* Chocolate Doom
* csDoom
* Doom Legacy
* Doomsday
* Doom SysAdmin Tool
* DOSDoom
* EDGE
* ggiDoom
* glHeretic
* Linux Heretic
* Linux Hexen
* LsDoom
* LxDoom
* Odamex
* ReMooD
* PowerDoom (PowerPak engine)
* PrBoom
* psDoom
* SDL Doom
* SDL Hexen
* SGI Doom
* Skulltag
* SvStrife
* Vavoom
* XDoom
* ZDaemon (Server)
* ZDoom







 
A versão atual do FreeDoom é a 0.8 lançada em 01/01/2014.
O projeto Freedoom visa criar um jogo completo e open source baseado na engine do Doom.
Também é compatível com modificações de jogo ("mods") feitas para os jogos Doom original, feitas por fãs, artistas e programadores ao longo das décadas.


FreeDoom é provavelmente o mais famoso e conhecido "DoomLike", está presente em quase todos os repositórios de distribuições Linux e *BSD's.




Freedoom está disponível em três versões, representando diferentes pacotes de nível e compatibilidade com várias versões da franquia clássica da id Software.

Freedoom
A versão Freedoom, com 32 níveis em um capítulo enorme. É compatível com mods do Doom II.


Ultimate Freedoom
Uma versão alternativa com 36 níveis diferentes divididos em quatro capítulos. É compatível com mods para Doom original e The Ultimate Doom.


FreeDM

Versão do FreeDoom para multiplayer em modo Deathmatch dentro de 32 níveis projetados.



Para jogar o FreeDoom será necessário instalar uma engine (port) do Doom. Geralmente ao fazer a instalação via repositório no seu linux, já será instalado junto. Provavelmente o Prboom (padrão em quase todas). Mas além dele, há também o Doomsday, Odamex e diversos outros.








Instale a partir do seu gerenciador de pacotes:
aptitude install freedoom
apt-get install freedoom 
zypper install freedoom
yum install freedoom

Ou, vá ao site oficial, na página de downloads.
Site Oficial do FREEDOOM 
http://freedoom.github.io/index.html


Site Oficial do Prboom 
http://prboom.sourceforge.net/

DoomWIKI
http://doomwiki.org/wiki/Source_port



Postagens mais visitadas deste blog

TuxMath - Tux, do Comando da Matemática. Ensino e diversão a crianças.

Tux Of Math Command, (Tux, do Comando da Matemática, em sátira ao desenho animado, Buzz Lightyear, do Comando Estelar) ou simplesmente TuxMath é um game open source, no estilo arcade, originalmente desenvolvido para linux, mas atualmente é multiplataforma, disponível em Windows, Mac, BeOS, web, dispositivos móveis...

SSD no linux

Mitos e verdades do SSD no Linux - Instalando, configurando e otimizando SSD no Linux SSD são suportados no Linux desde o kernel 2.6.29. Schedulers e File Systems também suportam os 'discos sólidos' ou 'não-rotacionais' (SSDs) há um bom tempo. A maioria dos artigos que existem na internet são bem antigos e não refletem os ambientes atuais dos sistemas Linux. Este artigo trás alguns macetes para otimizar o SSD num ambiente onde o sistema operacional estará instalado nele. Tiro alguns mitos de que seria necessário mudanças bruscas no sistema para que o SSD seja bem aproveitado (hoje, basicamente no uso do dia-a-dia, nada é preciso após instala-lo) apenas alguns pontos a serem observados.

DHCP - Guia Completo

atualizado em 18/03/2015 Olá a todos, disponibilizo mais um guia ;-) Apesar de um assunto bem fácil, sem segredos ou mistérios, o tema deste guia é DHCP Servers. Nele, abordo o que é o dhcp, como funciona e como configurar. A novidade neste guia é que mostro como realizar a configuração de um servidor DHCP usando roteadores "home / small office", como os famosos d-link, encore, tenda, pacific, tp-link, etc... Como criar um servidor dhcp usando equipamentos Cisco, como habilitar o DHCP Server usando a plataforma Windows (Windows Server 2003), e finalmente usando o GNU/Linux. Claro que meu foco é favorecer o uso do Linux para prover este serviço, para isto, mostro desde a configuração mais simples, até algumas avançadas, tanto em modo texto quanto as mais variadas interfaces gráficas existentes no S.O. para configurar e monitorar este simples serviço de rede. No GNU/Linux, abordo o DHCP Server mais utilizado no mundo (da ISC), as configurações mais utilizadas, o c