Mais recentes:
Carregando...


A empresa Neverware disponibiliza o 'CloudReady' que é uma ferramenta que permite instalar uma versão do ChromeOS em notebooks e computadores ( o foco é em equipamentos antigos) mas não chega a ser uma regra nem pre-requisito. 


O ano novo chegou e é hora de olhar para o que os próximos 365 dias têm a oferecer. 
A aposta da 'Linux.com' das melhores distribuições Linux para 2017, nas categorias: Melhor distro para desktop, distro leve ou para PCs/laptops antigos, melhor distro para SysAdmin, melhor distro para experts, distro para IoT, melhor ditribuição para servidores em PME's (não empresarial) e para grandes empresas (Corporativo).
O portal Linux.com analisou e listou as distros que podem ser as melhores de 2017 dentre a gigantesca variedade disponível. E eu, Esli Silva, trago o artigo com algumas excelentes sugestões.

Claro, não podemos simplesmente criar uma lista de sistemas operacionais e dizer "estes são os melhores", não quando há milhares de GNU/Linux e cada um feito para um determinado proposito. Para esse fim, segue-se uma lista de melhores distribuições GNU/Linux para 2017 de acordo com cada tarefa.


Já pensou num sistema de gerenciamento com fácil configuração e administração na qual ele pode ser usado para automatizar e organizar todas as suas tarefas de configuração, administração, gerenciamento, etc... dos sistemas operacionais em sua rede de computadores? Como updates, alteração de configs, backups, reboots, criar/clonar/parar instâncias... todas aquelas tralhas que são mantidas nos crontabs em cada um dos servidores... Bem como os diversos S.O. e até mesmo os deploys de aplicações e projetos?


O desempenho do sistema, muitas vezes depende muito da estratégia de otimização do scheduler de I/O. Muitos fatores influenciam o comportamento: tempos de acesso hardware, minimizar o desgaste de mídia de armazenamento, garantir a integridade dos dados, garantir acesso eficiente aos aplicativos que precisam fazer I/O, e ser capaz de priorizar tarefas importantes. 




Existe uma relação forte e complicada entre I/O e desempenho do sistema. Não é fácil de entender como os processos concorrem entre si por largura de banda de I/O, utilização de CPU, uso de memória e por recursos de rede. 


Manter o controle de processos rodando (e dormindo) é uma tarefa essencial a administradores de sistema. 

 O Linux tem uma grande variedade de ferramentas de monitoramento de sistema disponíveis, incluindo top, ps e sar. A maioria desses utilitários abusam dos sistemas de arquivos virtuais como o /proc e o /sys. Embora existam interfaces gráficas (específicas de cada distribuição), nós vamos apresentar métodos de linha de comando.


Sinais são usados ​​para forçar processos a responder a eventos, muitas vezes imprevisíveis. Eles podem ser causados ​​a partir do próprio processo, ou de eventos externos, como outros processos. Muitos sinais são fatais e resultarão no encerramento do processo. No entanto, a morte pode ser evitada se os programadores prepararem código para lidar com certos sinais de terminação. Além disso, muitos sinais são mais benignos e são apenas informativos. É possível enviar sinais (incluindo aqueles que induzem terminação) a partir da linha de comando usando kill, killall e pkill.